quarta-feira, 7 de março de 2012


Já é noite

Já é noite, mesmo noite.
E ao fechar os olhos,
sonhos insondáveis
tomam conta de mim
e lançam-me
por meandros desconhecidos.
Ao despertar,
são rosas frescas alilasadas
que me esperam,
em cima da cómoda.


(Manuela Reis)

1 comentário:

  1. Um poema para lêr a qualquer hora do dia, apesar de falar da noite.

    ResponderEliminar